Formado em curso da Seciteci destaca qualidade do ensino e remuneração acima da média

ETE LRV

“Eu sempre gostei deste ramo de agricultura, tanto que desde a adolescência, eu queria atuar nisso e sou grato a Seciteci por ter me dado a oportunidade de fazer um curso e ter este primeiro contato com o setor. E por causa do curso eu consegui ingressar no mercado de trabalho”. A fala é de Alan Eduardo Avelino Hochmann, de 20 anos, ao se formar no curso técnico de Agropecuária, ofertado pela Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Inovação de Mato Grosso (Seciteci).

O jovem, que estudou por dois anos na Escola Técnica Estadual (ETE) de Lucas do Rio Verde (330 km de Cuiabá), agora faz faculdade de Agronomia, que deve concluir em 2 anos. Apaixonado pela profissão, ele conta que foi contratado pelo Grupo Smanioto, um dos maiores produtores rurais da região, antes de concluir o curso técnico.

“As fazendas oferecem muitas oportunidades para iniciantes, então é uma área bastante promissora. Agora que me formei assino como técnico agrícola e ganho mais que muitos jovens concursados ou com formação superior, porém eu trabalho bastante, me dedico muito, acordo bem cedo, tenho responsabilidades. E eu estou fazendo faculdade para continuar crescendo na empresa e ganhar ainda mais”, diz.

O secretário da Seciteci, Nilton Borgato, reforça que a principal missão da secretaria está sendo alcançada, pois a maioria dos alunos que concluem os cursos ofertados pela pasta consegue ingressar no mercado de trabalho.

“A ideia é justamente capacitar gratuitamente o maior número de profissionais para o mercado de trabalho, diminuindo as desigualdades sociais e ampliando a geração de emprego e renda no Estado”, afirmou o gestor.

Segundo Adriana Camargo Pereira, coordenadora de Desenvolvimento Educacional da ETE de Lucas do Rio Verde, a ideia é ofertar cursos que vão de encontro com a realidade local, para aumentar o desenvolvimento da região.

“Os cursos vão desde a área administrativa, recursos humanos, contábeis, estética, segurança do trabalho, agronegócio, entre outros, que facilitam ao aluno ingressar no mercado de trabalho. Temos muitas histórias de egressos que já conseguem emprego antes de se formar, ou conquistam uma vaga logo após formados, ou ainda são promovidos na empresa que trabalham, bem como outros que instituem a sua própria empresa, o que mostra que estamos incluindo pessoas com qualidade no mercado de trabalho, diminuindo assim as desigualdades sociais”, disse.

Pesquisas

Segundo pesquisas do Ibope, realizadas a pedido da Confederação Nacional da Indústria, cerca de 72% dos alunos que se formam em cursos técnicos conseguem emprego já no primeiro ano após a conclusão do curso.

Um estudo da empresa de recursos humanos Manpower apontou que 43% das empresas brasileiras têm dificuldade em atrair profissionais qualificados. A maior escassez de mão de obra se concentra nas funções que exigem nível técnico, principalmente nos cargos de produção, operações e manutenção.

Por Camila Paulino | Seciteci – MT